Grupo EDP realiza Soltura de Peixes na Usina de Mascarenhas

edp news

Grupo EDP realiza Soltura de Peixes na Usina de Mascarenhas

quarta-feira 03, Abril 2013

Ao todo, 150.000 peixes serão soltos no Rio Doce e a ação visa benefícios para a ictiofauna local.

A EDP no Brasil, empresa do Grupo EDP Energias de Portugal, realiza hoje, dia 03, a soltura de 50.000 alevinos e juvenis (filhotes de peixes) no Rio Doce, localizado no município de Baixo Guandu, Noroeste do Espírito Santo. Para essa ação, a EDP investiu em um estudo minucioso sobre alternativas de manejo do reforço pesqueiro, no qual foram propostas algumas as ações, dentre elas, realização do procedimento de transposição manual de peixes, monitoramento mensal da ictiofauna e o reforço do estoque pesqueiro com a soltura de espécies nativas.
 
Até dezembro deste ano, o Grupo EDP irá realizar a soltura de 150.000 alevinos na região. Desde o ano de 2011, já foram soltos 85.000 alevinos. A ação representa uma perspectiva socioambiental de recomposições de estoques de peixes e o restabelecimento de populações de espécies ameaçadas ou extintas.
 
“As espécies foram selecionadas em função dos resultados obtidos com o monitoramento ictiofaunístico realizado na região onde está instalada a Usina Hidrelétrica de Mascarenhas. Nas pesquisas realizadas, foram identificadas mais de 30 espécies nativas da bacia do Rio Doce, entretanto, sua utilização em projetos de reforço de estoque pesqueiro depende da existência e disponibilidade de tecnologias de reprodução induzida, aliada ao comportamento e hábito alimentar das espécies”, destaca o diretor de Operação e Manutenção da Geração do Grupo EDP, José Cherem Pinto.
 
Os peixes foram fornecidos por um laboratório especializado em reprodução induzida de espécies nativas. Espécies exóticas não são contempladas nas campanhas de soltura devido ao potencial impacto negativo destas para o ambiente.
 
A ação, precursora de uma série de outras que estão sendo adotadas na região, faz parte da política de sustentabilidade do Grupo EDP, que é publicamente reconhecida como modelo de referência no Brasil.​